segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

#40 - 6 de Janeiro de 1909: Maria Amália Vaz de Carvalho a João de Barros

[Debate breve entre dois pedagogos, cujas idades se distanciavam em 34 anos (Maria Amália era de 1847; Barros, de 1881), a propósito do livro deste, A Escola e o Futuro (1908)]
6-I-1909

     Meu bom amigo

     Venho agradecer-lhe mt.º e mt.º o seu belo livro que li com imenso interesse. Sem concordar inteiramente com as doutrinas ali expostas achei um grande prazer intelectual em ver o modo como as expunha.
     O seu sonho de educação integral tem para nós um defeito... o de ser mt.º caro!
     Uma amiga minha que deixou agora o filho no colégio Des Roches pagou 900$000 adiantados por um ano!
     Imagine o belo pai de família português, burocrata (em Portugal não há senão burocratas) e tendo 12 filhos (em Portugal ninguém que se preza tem menos de 12 filhos) e suponha-o educando os seus filhos num colégio assim, e triando-os de lá sabendo de tudo um pouco, mas não tendo capacidade de entrar na gloriosa carreira do Pai por falta de diplomas legais! Que horrível desastre!
     Nós temos de criar uma educação nossa. Não a sonha pelos utopistas da Grécia, não a imaginada pela fantasia humanitária de Rousseau, nem pelo amoralismo implacável do seu Nietzsche mas adaptada ao triste meio que só um século de trabalho incessante poderá ir lentamente modificando.
     Que haja mt.os professores como o meu caro João de Barros e com certeza essa modificação para melhor será mais rápida.
     Mas onde é que eles estão?
     Muitos parabéns, apesar destas divergências que desculpará a uma velha amiga que já leva em tarefa de educar filhos sem pai, pelo seu livro que é mais uma luminosa afirmação de tranbalho, de talento e de devoção ao seu duro ofício de ensinar.
     Sua amiga mt.º grata
e sincera adora

M.ª Amália
     Um abraço à Raquel


Cartas a João de Barros, Lisboa, Livros do Brasil, s.d.
(edição: Manuel de Azevedo)
    
     

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

#39 - Olhão, 18 de Junho de 1925: Roberto Nobre a Ferreira de Castro

[Aos 22 anos, Roberto Nobre alimentava ainda os sonhos de realização artística através do recurso exclusivo aos seus maiores interesses: o cinema e a pintura e o desenho. Quanto à 7.ª Arte, realizava por esta altura uma curta-metragem paródica do seu ídolo, Chaplin: «Charlotim & Clarinha», assim intitulado, hoje guardado nos arquivos da Cinemateca; viria a ser o maior crítico de cinema do seu tempo, Horizontes de Cinema (1938) é um clássico). Quanto à pintura, desenhos, cartazes, moda, publicidade, forçado a subsistir, anarquista e opositor (foi dos poucos a recusar o convite de António Ferro para colaborar na Exposição do Mundo Português), enterra-se na Singer, onde coordena  o gabinete de marketing (os reclames...).]

Olhão 18/6/925

Meu Caro Ferreira de Castro

    
Uma gripe infligiu-me três dias de cama, e uma semana de má disposição para o trabalho -- e além de tudo uma magreza e uma fraqueza tal de ter tonturas. Vou arribando. Isto explica a bem pouco comum em mim tardança no envio dos desenhos.
     Na série de «Epopeia» vou entremeando «trabalhos» intelectuais com «trabalhos» físicos. O próximo será ou «escritores» ou os «pintores». No A.B.C. trocaram os desenhos. Gostaria que Mário Domingues soubesse disto e não atribuísse a mim desenhos quase inexplicáveis. «Na mais fabulosa riqueza» veio o que pertencia ao conto anterior e neste o que pertencia àquele. Será porque o nosso amigo Beno[l]iel está sendo operado?
Tenho uma excelente notícia a dar-lhe. É muito provável que que brevemente me terão aí vivendo dos desenhos. O Bernardo Marques, excelente amigo e a camarada, acaba-me de convidar para com ele trabalhar para a Companhia do Estoril. Não sei ainda quanto ganharei mas creio conseguir, com esse ordenado e com o que poderei trabalhar para fora conseguir manter-me até que (passada que for a tremendíssima crise económica que por aqui grassa) eu consiga montar com capital suficiente a Companhia de cinema que tenho em organização e cujas experiências têm dado excelentes resultados.
     Como V. calcula isto é extraordinária alegria para mim, saudoso que estou sempre da nossa excelente camaradagem de há dois anos.
     Meu pai deve chegar aí esta noite e dir-me-á o que resultou da sua entrevista com o Marques. Não sei ainda o que combinaram o que creio é que o resultado deverá ser a minha ida. V. que é homem que anda a corrente destas coisas é capaz de me mandar dizer quanto necessitarei para viver aí? Necessito saber isso por causa dos meus cálculos. Sinto os nervos necessitados de uns meses de luta, de trabalho.
     Um grande abraço para distribuir pelos nossos amigos da «Hora Novelesca» e
                                                                        Um outro para si do seu adm.or e amig.º
                                                                                                                              
                                                                                                                    Roberto Nobre


100 Cartas a Ferreira de Castro, Sintra, Câmara Municipal / Museu Ferreira de Castro, 1992
(edição: Ricardo António Alves)

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

#38 - Biarritz, 6 de Março de 1940: Jaime Cortesão a Câmara Reis

[Cortesão faz-se intermediário dos poemas de António Fróis, que outro não era que não ele mesmo. E, de acordo com Alberto Pedroso, o próprio Câmara Reis, director da Seara Nova pensava tratar-se de alguém de carne e osso, de armas na mão na Guerra Russo-Filandesa. Refira-se que o historiador estava no exílio, tendo integrado o grupo de republicanos em fuga pelos Pirenéus, após a vitória de Franco na Guerra Civil de Espanha.] 

6 de Março de 1940.
Villa Angello,
rue Saraspe,
Biarritz (B. P.)


Meu querido Câmara Reis,

     Prometi-lhe há tempos enviar para a revista colaboração que pudesse substituir certa relação de viagem acidentada, que V. desejava dar à publicidade. Só hoje o faço. E não estranhe. Tenho ultimamente tido uma vida de trabalho muito intenso, a que me obrigam as necessidades materiais e compromissos literários de vária espécie.
     Uma circunstância, alheia ao meu alvedrio, permite satisfazer os seus e os meus desejos. É o caso que o meu amigo António Fróis antes de partir para Helsinki, onde foi pôr-se ao lado dos finlandeses (este não se nega a combater na Finlândia...), e na previsão de qualquer desenlace desastroso, deixou nas minhas mãos um grande número dos seus poemas, confiando-me também o encargo de os publicar, se o considerasse oportuno.
     Envio-lhe, pois, duas poesias suas, deixando por minha vez ao seu critério a resolução de as publicar ou não, conforme lhe parecer. O meu Amigo verá se as suas poesias não destoam muito do estilo das novas escolas portuguesas. António Fróis é aquilo a que poderíamos talvez chamar um clássico, um anacrónico dr. António Ferreira, quando referido ao nosso tempo, de tão altas novidades. A mim, cego talvez pela amizade, afigura-se-me, que elas não seria de todo indignas das colunas da Seara. Se o seu parecer não for diferente, o meu Amigo poderia publicar um dos poemas -- «Regresso ao Caos e Ressurreição» -- em quatro ou em dois número da revista -- "Andrómada e o dragão" -- em outro. Se acaso, hipótese que a minha modéstia de amigo dificilmente admite, as poesias que lhe parecessem de interesse, eu poderia enviar-lhe outras mais. E no caso afirmativo permitia sugerir-lhe que o meu querido Câmara Reis fizesse uma pequena tiragem à parte -- que sei eu? -- dalguns cem exemplares que poderia servir de homenagem àquele combatente pela liberdade dos povos oprimidos.
     Uma condição imponho à sua amizade, se aceitar a publicação dessas poesias, a de esconder inteiramente a origem delas, isto é, o nome do intermediário que lhas comunica.
     A par disto envio também um artigo meu, que aliás já foi impresso há alguns meses numa revista do Rio -- "O observador económico" --. Como se trata duma revista estrangeira e de especialidade, esse pequeno estudo, intitulado "Homo", é certamente totalmente desconhecido dos leitores da revista. Repito em relação a ele o que disse para as poesias do Fróis: se lhe parecer dalgum interesse, rogo-lhe que o publique. Como actualmente colaboro bastante em jornais e revistas brasileiras, poderei de quando em quando enviar-lhe alguns desses artigos, ainda que tenha na intenção enviar também artigos originais e inéditos.
     E agora um pedido: como não é prático, nem viável enviar-me as provas dos manuscritos que lhe envio, rogo-lhe o obséquio de as corrigir com o maior cuidado, se acaso publicar alguns deles.
     Os manuscritos seguem em pacote registado. Peço-lhe que acuse a recepção e diga da sua justiça.
     E para terminar novo pedido: VV. editaram aí, entre outras coisas, um livro que me interessaria muito ler: o "Fernão de Magalhães" do V. da Lagoa. Reparo, não obstante que o preço é excessivamente caro para as minhas posses. Não poderia V. arranjar-me uma redução de preço, que me permitisse obtê-lo? Isto sem falar dos volumes do Proença que a Seara igualmente publicou. Rogo-lhe me responda também a isto.
     Um grande abraço do velho amigo, sempre fiel às velhas amizades,
Jaime Cortesão




13 Cartas do Cativeiro e do Exílio (1940), Lisboa, Biblioteca Nacional, 1987
(edição de Alberto Pedroso)

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

#37 - Amesterdão, 24 de Agosto de 1530: Damião de Góis a D. João III

     [Dos encargos & apertos dum funcionário no estrangeiro. Com 28 anos, Damião de Góis, futuro cronista e guarda-mor da Torre do tombo, amigo de Erasmo e de Dürer, que o retratou, era secretário da feitoria portuguesa na Flandres.]  

  Senhor:

     Per um correio que chegou a Anvers a 22 dias deste mês, recebi uma carta de V. A., na qual manda que somente se façam os panos dos doze meses, porque dos outros já não tem necessidade. Eu como lhe, Senhor, escrevo pola frota, recebidas suas cartas, logo mandei fazer assi os doze meses, como os doze panos grandes e reposteiros e coxins, e sobre tudo tenho dado quase cem escudos (?) de grossos de sinal, pelo que não será bem faisable se deixarem de fazer; eu creio que depois que V. A. os vir feitos folgará de nisso ter despeso dinheiro, porque os patrões per que se fazem eu os vi são muito bons. Pela frota mando as cousas que me V. A. mandou pedir, e assi uma folha que cá estava a iluminar, que é o começo do livro, e assim um dos livros iluminados. E o outro não vai por a escritura não ser ainda acabada, que a iluminura já a tenho em minha mão.
     De João Carlos tenho recebidos os quatrocentos cruzados que me per sua letra mandou, e assi recebi mais de Jorge Lopes pela conta dos trezentos mil-réis que me nele manda dar Luís Ribeiro, seu tesoureiro, outros quatrocentos cruzados de que lhe tenho dado três conhecimentos. Pela armada escrevo a V. A. como pera se acabar de fazer toda a tapeçaria haverá mister ainda de mil cruzados, além de tudo o que me cá manda dar, porque os quatrocentos cruzados de João Carlos se desprenderam quasi todos nas cousas per sua guarda-roupa, como verá per a conta que mando disso a Charles Anriques pela frota, e somente me ficam pera tudo os trezentos mil-réis. Nosso Senhor lhe acrescente os dias de vida em real estado. De Amsterdam, aos 24 dias de Agosto de Agosto de 1530.

Damião de Góis



in Andrée Rocha, A Epistolografia em Portugal, 2.ª ed., Lx, 1985


quarta-feira, 8 de novembro de 2017

#36 - 7 de Fevereiro de 1886: Camilo Castelo Branco a Tomás Mendes Norton

[Dadas à estampa por um seu neto, Luís Norton, as cartas de Tomás Mendes Norton a Camilo versam sobre uma hipotética fantasia de o mosteiro medieval de Refojos do Lima dever o traço do seu restauro e as linhas de alguns azulejos respectivamente a Bramante e a Rafael, por intermediação do Cardeal Alpedrinha, D. Jorge da Costa, grande figura da Igreja Católica. Essa atribuição, contestada pelo organizador deste voluminho de uma dúzia de missivas de Camilo, não obteve acolhimento posterior, sendo atribuídas as ousadas propostas pelo descendente a um espírito peculiar composto por romantismo tornado obsessão, que levaria o proprietário à ruína, não se ocupando de qualquer outra coisa que não fosse a comprovação dessa sua teoria, publicando, em 1888, uma obra, vertida para o francês: Études sur les Oeuvres d'Art de Raphael Sanzio d'Urbino au Monastère de Refojos do Lima. A esta ideia, ao que parece mirabolante, dará Camilo, amigo do pai do correspondente, todo o lastro.]

7/2/86

Exmº Amigo

     Parecem-me excelente e logicamente derivadas as suas conjecturas sobre a influência de Cardeal D. Jorge nas obras do seu mosteiro. pouco importa que ele haja morrido alguns anos antes da ornamentação interna do edifício.
     Noto que V. Exª esgaravata tudo que possa ter peso na balança das probabilidades. Ainda m'mo que não vingue levar a convicção aos que duvidam por um pirronismo sistemático, decerto nos dará um livro recheado de conhecim'tos da arte e da erudição histórica.
     Estou padecendo m'to, e escrevendo sempre, a ver se desequilibro as dores, concentrando o fluido nervoso na cabeça.

De V Exª.
Obrig'mo Amº

Camilo Castelo Branco



[Dadas à estampa por um seu neto, Luís Norton, as cartas de Tomás Mendes Norton a Camilo versam sobre uma hipotética fantasia de o mosteiro medieval de Refojos do Lima dever o traço do seu restauro e as linhas de alguns azulejos respectivamente a Bramante e a Rafael, por intermediação do Cardeal Alpedrinha, D. Jorge da Costa, grande figura da Igreja Católica. Essa atribuição, contestada pelo organizador deste voluminho de uma dúzia de missivas de Camilo, não obteve acolhimento posterior, sendo atribuídas as ousadas propostas pelo descendente a um espírito peculiar composto por romantismo tornado obsessão, que levaria o proprietário à ruína, não se ocupando de qualquer outra coisa que não fosse a comprovação dessa sua teoria, publicando, em 1888, uma obra, vertida para o francês: Études sur les Oeuvres d'Art de Raphael Sanzio d'Urbino au Monastère de Refojos do Lima. A esta ideia, ao que parece mirabolante, dará Camilo, amigo do pai do correspondente, todo o lastro.]
in Luís Norton, Doze Cartas Inéditas de Camilo Castelo Branco, Lx., 1964





domingo, 5 de novembro de 2017

#35 - 1972: Ferreira de Castro ao director do «Notícias de Chaves»


[Parece que causou controvérsia a questão do adultério da protagonista de Terra Fria (1934) na então longínqua Padornelos. Ao contrário do que pode parecer, a paciência de Castro foi infinita, em face dos pundonores (provincianos) desgravados.]

Senhor Director:

     Chamaram a minha atenção para um artigo publicado no «Notícias de Chaves», onde Aquilino Ribeiro e eu somos acusados de termos agredido, em romances nossos, o concelho de Montalegre.
     Creio que se trata de dois fortes equívocos. Que eu saiba, o grande Aquilino nunca escreveu livro algum sobre aquela região e, no meu romance «Terra Fria», pratiquei um acto de solidariedade humana com o povo de Barroso, então completamente abandonado ao seu destino. Uma solidariedade que me exigiu alguns sacrifícios, diga-se sobriamente de passagem.
     E assim me parece que só quem não souber ler ou não souber compreender a intencionalidade do que lê poderá tomar como agressão uma obra de profundo amor pelo nosso semelhante.
     Como este não é o caso do articulista*, penso que as suas palavras são consequência duma leitura apressada. De todas as maneiras, considero-as injustas e se ele tiver ainda alguma dúvida, que leia o prefácio da edição especial da «Terra Fria», publicada em 1966.
     Julgo, aliás, e outras pessoas julgam também, inclusive categorizados transmontanos,, que o meu romance, sobretudo por haver sido publicado com ilustrações em rodapés de «O Século», antes de sair em livros, contribuiu para algum progresso que se tenha dado desde essa época, numa terra de tão belos aspectos e num povo boníssimo, que bem mereciam melhor sorte e que os detentores do poder pareciam ignorar inteiramente.
     Com antecipados agradecimentos pela publicação desta carta, envio-lhe, sr. director, as minhas saudações corsiais.

Ferreira de Castro 




in Barroso da Fonte, Diálogo com Ferreira de Castro -- A Propósito do Romance Terra Fria, Braga, Editora Pax, 1973.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

#34 - Espinho, 3 de Maio de 1903. Manuel Laranjeira a João de Barros



[Desconheço o motivo da carta (a edição é nula a este respeito), porém percebe-se a chã frontalidade de Laranjeira, essencial para prevenir futuros quiproquós, e nesse aspecto a limpidez da missiva é evidente.]



Ex.mº Sr. João de Barros:

     Só agora posso responder à sua segunda carta. Perdoe-me. Não foi por desmazelo meu. Razões de família apenas. Creia-me e perdoe-me.
     Deixe-me dizer-lhe: eu compreendo os íntimos motivos que o levaram a dar-me esclarecimentos sobre a tal carta. Bem que desnecessária para mim, que me prezo de nunca alicerçar opiniões sobre areia, essa explicação compreendo-a. Eu teria procedido igualmente, presumo.
     É que nós vamos atravessando tempos difíceis, em que cada um que preze a sua honestidade sente precisão de definir a sua atitude, para não ser confundido com as biltres trivialidades que para aí fervilham. Só as nulidades morais se não estimam -- ...ou estimam-se no seu valor real, que é nenhum. Eu teria feito o mesmo, repito. Porque V. Ex.ª não é meu amigo, como eu não sou de V. Ex.ª -- para que qualquer de nós tivesse uma fé desabalada na lealdade de carácter do outro. Nós conhecemo-nos apenas. Sabemos um do outro só aquilo que um outro amigo nos fez saber. Comigo, pelo menos, o facto dá-se assim. E apesar de as melhores informações que tivéssemos um do outro, apesar até de alguma simpatia que espontaneamente pudéssemos ter um pelo outro -- um resíduo de dúvida era permitido sempre, sem que nela houvesse ofensa. Por isso a sua carta não foi importuna. Antes foi....................... -- Mas não acha V. Ex.ª que não vale a pena estar a perder tempo com uma tão insignificante insignificância? Para mim, a tal carta não significou mais do que um espirituoso xeque-mate, espirituosamente dado na erudição vaidosamente paleográfica do meu amigo. Olhe: peço-lhe que faça como eu: não pense mais nela.
     E para findar: dá-me V. Ex.ª um sumo prazer em continuar a importunar-me.
     Pelo que me subscrevo de V. Ex.ª inútil criado

Espinho, 3 de Maio de 1903.

Manuel Laranjeira





Cartas de Manuel Laranjeira, Lisboa, Relógio d'Água, s.d.
editor: Ramiro Mourão

terça-feira, 31 de outubro de 2017

#33 - 1924 - António Sérgio a Castelo Branco Chaves




[Os homens da Seara Nova  e do Integralismo Lusitano, convergiram por vezes, em publicações comuns, apesar da distância política. Esta carta é disso exemplo. Castelo Branco Chaves começou por ser integralista e monárquico, tendo participado na Revolta de Monsanto, em 1919. O primeiro livro, ensaio sobre Fialho de Almeida (1923) fora prefaciado por Sardinha, que morrerá em 1925. Será um dos mais próximos colaboradores de António Sérgio.]


[1924]
Meu caro Amigo:

Pensando no caso, acho que é melhor que seja o meu Amigo quem escreva ao Sardinha. Peço-lhe que enuncie as seguintes verdades:
Primeira. Não quero, não quererei nunca atacar o Sardinha. Pretendo defender o o prestígio da secção crítica da «Lusitânia», que o Sardinha atacou, mandando para a revista um artigo que é um desmentido, de lés a lés, do meu artigo na «Lusitânia» sobre o Múrias. O Sardinha, se fosse discreto, publicava aquilo na «Nação Portuguesa».
(Aqui para nós, e só para nós: o facto é tanto mais estranhável quanto fui eu que concebi e fundei a «Lusitânia». O Afonso e o Sardinha entrariam para o elenco redactorial da revista porque o Afonso mo pediu. Para ver quanto o acto do Sardinha foi pouco generoso, suponha a hipótese de eu sair vencido na polémica. Eis um homem que entra a pedido numa revista criada por mim, para, uma vez lá, minar o prestígio literário de quem gentilmente o recebeu.) Em resumo: o atacante (sem nenhum necessidade) é o Sardinha. Eu defendo-me, e vou fazê-lo no tom mais amável e amistoso.
Segunda. Não manifestei o desejo, por mim, que o artigo não fosse publicado. Não me obriguem ao ridículo de fazer notar ao Sardinha que não tenho medo da crítica dele. Pelo contrário. Logo disse que, pessoalmente, estimava a publicação do artigo. Para a unidade e prestígio da «Lusitânia», porém, e para evitar os cancans do respeitável público, achei melhor que o artigo do Sardinha fosse publicado na «Nação», e a minha resposta na «Seara». Evitar luta dentro da «Lusitânia». A «Lusitânia» deveria ser reservada para a expressão daquilo que nos é comum; a «Nação» e a «Seara» para a amistosa discussão das divergências. Este meu modo de ver obteve até hoje o assentimento de todas as pessoas que o conhecem, excepto... não sei se realmente há alguma excepção, porque ninguém até hoje, por palavras, mo contestou claramente, depois de eu o explicar com minúcia.
Ora aí está. Não sou inimigo de ninguém, não quero atacar ninguém. Defendo e tenho defendido Ideias que julgo verdaddeiras e úteis a Portugal. Posso achar más certas ideias do Sardinha, ou do amigo do Sardinha, o Sr. Murias, mas sendo e continuando a ser amigo do Sardinha e dos seus amigos. Tenho mostrado bem que não me importo de desagradar e cabe por isso dizer que tenho para com o Sardinha a melhor boa vontade deste mundo, sem que possam duvidar da minha franqueza. Não cuido precisar do Sardinha para coisa nenhuma, não cuido que a inimizade do Sardinha me possa prejudicar, pessoal e literariamente: sou portanto absolutamente sincero quando digo que quero ser amigo do Sardinha, que não tenho o menor desejo de o atacar ou de lhe causar o mais pequenino prejuízo no seu prestígio de historiador. E isto não é virtude; é o reconhecimento intelectual de que há espaço para toda a gente neste mundo, que enfim de contas nos encontramos todos com todos, e não só com os nossos contemporâneos, e que tanta razão tenho para temer que me faça sombra o Sardinha como que me faça sombra o Camões. De mais, não me considero homem de letras: sou um homem que, tendo meia dúzia de convicções, usa da letra redonda como o melhor meio de as divulgar entre os seus compatriotas. Ao próprio Fidelino, que me pretendeu insultar, não me seria, eu só desejo que se emende, e que passe a escrever com mais acerto. Ser inferior a um génio chamado Sardinha, ou chamado Fidelino, não me seria mais doloroso do que ser inferior a um génio chamado Espinosa ou chamado Platão. E por ser verdade o escrevi.
Et nunc et semper

A. Sérgio


Cartas de António Sérgio a Castelo Branco Chaves: 192541955
(edição de Luísa Ducla Soares)


segunda-feira, 30 de outubro de 2017

#32 - 10 de Julho de 1849: Camilo Castelo Branco a José Barbosa e Silva

[Radicado em Viana do Castelo, José Barbosa e Silva, tal como o resto da família, foi um amigo dilecto de Camilo: amigo, confidente e auxiliador em momentos de aperto, como revelou o incansável Alexandre Cabral. Em baixo, uma carta inicial, ainda distante.]

Ill.mº Amigo


O abraço, que se dignou transmitir-me, por via do nosso Carneiro, devo retribuir-lho, acompanhado destas quatro linhas fluentes e sem presunção, se tantas são bastantes para afiançar a V. S.ª o muito apreço em que tenho os seus favores.
Vai esse jovem enamorado mendigar-lhe as suas distracções: eu creio que lhe serão de grande proveito, e, porventura, de instrução, que ele parece desejar. Espero um dia para cumprir uma promessa. Os banhos de mar, que a Medicina empiricamente me aconselha, estorvam-me o maior número de outras ocupações: -- verdade é, que das mais gratas ao coração, já tenho cedido a beneplácito de uma espécie de sezão moral que me apoquenta.
Agradeço o empréstimo do livro.


Disponha do
De V. S.ª amigo verdadeiro
Camilo Castelo Branco

10 de Julho de 1849






Correspondência de Camilo Castelo Branco com os Irmãos Barbosa e Silva, vol. I, Lisboa, Livros Horizonte, 1984.
editor: Alexandre Cabral 

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

#31 - Pará, 6 de Dezembro de 1655: o Padre António Vieira a D. João IV


    [Missiva que faz jus à grandeza do Padre António Vieira, como homem, sacerdote, retórico e diplomata. Apóstolo dos índios, assim lhe chamam, não logrou, infelizmente, a mesma diligência relativamente aos escravos africanos. Referência a André Vidal de Negreiros (1606-1680), figura-chave do Brasil colonial.] 
Nota (10/XII/2017) A ler, no último JL-Jornal de Letras, Artes e Ideias, #1231,, 6-XII-2017, um pertinente artigo sobre a questão,  de José Eduardo Franco, Pedro Calafate e Ricardo Ventura, «Negros, ameríndios e a questão esclavagista em Vieira».

 Senhor:

     Com esta remeto a Vossa Majestade a relação do que se tem obrado na execução da lei de Vossa Majestade sobre a liberdade dos índios. Muitos ficam sentenciados ao cativeiro por prevalecer o número dos votos mais que o peso das razões. Vossa Majestade, sendo servido, as poderá mandar pesar em balanças mais fiéis que as deste Estado, onde tudo nadou sempre em sangue dos pobres índios, e ainda folgam de se afogar nele os que desejam tirar perigo aos demais. Contudo se puseram em liberdade muitos, cuja justiça por notória se escapou das unhas aos julgadores. Tudo o que neste particular, e nos demais se tem obrado a favor das cristandades, e em obediência da lei e regimento de Vossa Majestade, se deve ao governador André Vidal, que em recebendo as ordens de Vossa Majestade, se embarcou logo para esta capitania do Pará, a dar à execução muitas coisas, que sem a sua presença se não podiam conseguir. Se o braço eclesiástico ajudara ao secular, tudo se pusera facilmente em ordem e justiça; mas, como as cabeças das Religiões têm opiniões contrárias às que Vossa Majestade manda praticar, estão as consciências como dantes, e o que não nasce destas raízes dura só enquanto dura o temor. Já dizem que virá outro governador, e então tudo será como dantes era; e eu em parte assim o temo, porque todos os que cá costumaram vir até agora traziam os olhos só no interesse, e todos os interesses desta terra consistem só no sangue e suor dos índios.
     De André Vidal direi a Vossa Majestade o que me não atrevi atègora, por me não apressar; e, porque tenho conhecido tantos homens, sei que há mister muito tempo para se conhecer um homem. Tem Vossa Majestade mui poucos no seu reino que sejam como André Vidal; eu o conhecia pouco mais que de vista e fama: é tanto para tudo o demais, como para soldado: muito cristão, muito executivo, muito amigo da justiça e da razão, muito zeloso do serviço de Vossa Majestade, e observador das suas reais ordens, e sobretudo muito desinteressado, e que entende mui bem todas as matérias, posto que não fale em verso, que é falta que lhe achava certo ministro grande da corte de Vossa Majestade. Pelo que tem ajudado a estas cristandades lhe tenho obrigação; mas pelo que toca ao serviço de Vossa majestade (de que nem ainda cá me posso esquecer) digo a Vossa Majestade que está André Vidal perdido no Maranhão, e que não estivera a Índia perdida se Vossa Majestade lha entregara. Digo isto porque o digo neste papel, que não há-de passar das mãos de Vossa Majestade, e assim o espero do conhecimento que Vossa Majestade tem da verdade e desinteresse com que sempre falei a Vossa Majestade, e do real e católico zelo, com que Vossa Majestade deseja que em todos os reinos de Vossa Majestade se faça justiça e se adiante a fé. A muito alta e muito poderosa pessoa de Vossa Majestade guarde Deus como a Cristandade e os vassalos de Vossa Majestade havemos mister. Pará, 6 de Dezembro de 1655.
António Vieira



Cartas

(edição de Mário Gonçalves Viana)